COLETA DE DADOS EM LÍNGUA DE SINAIS: PROCEDIMENTOS E DESAFIOS COM USUÁRIOS SURDOS

Sylvana Karla da Silva de Lemos Santos

ORCID iD http://lattes.cnpq.br/0372497978067229 Instituto Federal de Brasília Brasil

Doutora em Ciência da Informação pela Universidade de Brasília. Professora no eixo Comunicação e Informação no Instituto Federal de Brasília.

Resumo

A pesquisa evidencia um estudo de usuários surdos que têm a Língua Brasileira de Sinais - Libras como uma de suas características identitárias e culturais. A investigação é parte de uma pesquisa de doutorado em Ciência da Informação finalizada em 2019 com o intuito de identificar o grau de satisfação dos usuários Surdos ao acessar a informação a partir dos serviços de governo eletrônico do Brasil e as práticas informacionais relacionadas. Dada a característica visual espacial dos Surdos, este artigo tem como objetivo identificar alternativas de instrumentos utilizados para a coleta de dados de usuários e apontar uma proposta, considerando o uso da língua de sinais e as Tecnologias da Informação e da Comunicação. Apresenta uma metodologia para a construção e aplicação de dois instrumentos de coleta de dados utilizados na pesquisa e ressalta a importância de respeitar a língua materna dos usuários. Ressalta que a adoção da metodologia proposta possibilita a replicação para vários participantes e pondera sua adoção requer tempo para planejamento, aplicação e conversão entre as diferentes línguas envolvidas.

Texto completo:

Referências


BAPTISTA, S. G.; CUNHA, M. B. Estudo de Usuários: visão global dos métodos de coleta de dados. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 12, n. 2, p. 168-192, 2007.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BETTS, A. Make your videos interactive with Vizia.co. Vídeo: 4 min 32 seg. 09 mar. 2018. Disponível em: Acesso em: 15 abr.2019.

BHATTACHERJEE, A. Social science research: principles, methods, and practices. USF Tampa Bay Open Access Textbooks Collection. Book 3. 2012.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 25 abr. 2002. Seção 1, p. 23. Disponível em: . Acesso em: 15 abr.2019.

BRASIL. Decreto nº 5.296, de 22 de dezembro de 2005. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 26 dez. 2005. Seção 1, p. 246. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5626.htm>. Acesso em 16 jan.2019.

CAPURRO, R. Epistemologia e Ciência da Informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 5, 2003. Anais ... Belo Horizonte: ENANCIB, 2003. Disponível em: . Acesso em: 04 out. 2018.

CARTAXO, S. J. M. A obsolescência. Opinião. Revista Brasileira de Engenharia Química. p. 22-26, 2017. Disponível em: Acesso em: 10/04/2019.

CASTRO JÚNIOR, Gláucio de. 2014. 259 f. Projeto Varlibras. Tese (Doutorado em Linguística) - Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas, Universidade de Brasília, Brasília, 2014. Disponível em: < http://repositorio.unb.br/handle/10482/17728 > Acesso em: 01 set. 2019.

CHALHUB, T.; GOMES, M. Museus como atividade educativa: o que pensam os alunos surdos sobre acessibilidade? In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO. Londrina, 19, 2018. Anais ... Londrina: ENANCIB, 2018. Disponível em: < http://enancib.marilia.unesp.br/index.php/XIXENANCIB/xixenancib/paper/viewFile/1172/1754 > Acesso em:12 ago. 2019.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3. ed. Porto Alegre: ARTMED, 2010.

FELIPE, T. A. Libras em Contexto: curso básico - livro do estudante. 8ª ed., Rio de Janeiro: WalPrint Gráfica e Editora, 2007.

FIGUEIREDO, N. M. Estudos de uso e usuários da informação. Brasília: IBICT, 1994. 154 p.

GANDRA, T. K.; SIRIHAL-DUARTE, A. B. Interlocuções entre a análise de domínio e os estudos de usuários da informação: contribuições para uma abordagem sociocognitiva. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO (ENANCIB), v. 14, 2013. Anais ... Florianópolis: ENANCIB, 2013. Disponível em: < http://bogliolo.eci.ufmg.br/downloads/GANDRA%20e%20ABSD%20Enancib2013.pdf > Acesso em: 12 ago. 2019.

HENRIQUE, D. R. Língua de Sinais Brasileira: análise de campanhas do Ministério da Saúde na perspectiva da pessoa surda. 2017. 209 f. Dissertação (Mestrado em Ciências e Tecnologias em Saúde) - Universidade de Brasília, Brasília, 2018.

KAUARK, F. S.; MANHÃES, F. C.; MEDEIROS, C. H. M. Metodologia da pesquisa: Guia Prático. Itabuna, BA: Via Litterarum, 2010.

MEC. Ministério da Educação. Educação Especial. Ensino bilíngue com libras melhora a vida de alunos surdos. Notícia. 06 abr. 2016. Disponível em: Acesso em: 16 abr. 2019.

MOREIRA, F. S. R. História de vida e concepção de docentes surdos acerca das políticas de inclusão na educação superior no DF. 2014. 136 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Departamento de Educação, Universidade Católica de Brasília, 2014.

NASCIMENTO, C. B. Alfabeto manual da língua de sinais brasileira (Libras): uma fonte produtiva para importar palavras da língua portuguesa. Revista Trama, Marechal Cândido Rondon, v. 7, n. 14, p. 33-55, 2011.

PAYNE, G.; PAYNE, J. Key Concepts inSocial Research. London: Sage Publications Ltda., 2004.

QUADROS, R. M. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa. Secretaria de Educação Especial; Programa Nacional de Apoio à Educação de Surdos. Brasília: Ministério da Educação, 2004.

QUADROS, R. M.; SOUZA, S. X. Aspectos da tradução/encenação na Língua de Sinais Brasileira para um ambiente virtual de ensino: práticas tradutórias do curso de Letras Libras. In: QUADROS, Ronice Müller de (Org.). Estudos Surdos III. Petrópolis: Arara Azul, 2008. cap. 8, p. 170-209.

QUADROS, R. M.; CAMPELLO, A. R. S. A constituição política social e cultural da língua brasileira de sinais – Libras. In: VIEIRA-MACHADO, L. M. C.; LOPES, M. C. (Orgs.), Educação de surdos: políticas, língua de sinais, comunidade e cultura surda. Edunisc: 2010.

SANTOS, S. K. S. L. Acessibilidade e usabilidade na busca e recuperação da informação por usuários surdos em um site. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, 7., 2016, São Carlos. Anais ... Campinas, GALOÁ, 2018. Disponível em: < https://proceedings.science/cbee7/papers/acessibilidade-e-usabilidade-na-busca-e-recuperacao-da-informacao-por-usuarios-surdos-em-um-site?lang=pt-br > Acesso em: 15 abr. 2019.

SANTOS, S. K. S. L; TEIXEIRA, L. N. B.; KAFURE, I. Acessível Para Quem? Uma Análise da Acessibilidade em Sítios Institucionais. In: Sánchez, J. (Org.) Nuevas Ideas en Informática Educativa, Santiago de Chile, v. 14, p. 487-492, 2018.

SAVOLAINEN, R. Information Behavior and Information Practice: Reviewing the “Umbrella Concepts” of Information‐Seeking Studies1. Library Quarterly, v. 77, n. 2, p. 109-132, 2007. Disponível em: < http://www.jstor.org/stable/10.1086/517840?seq=1#page_scan_tab_content >. Acesso em: 27 dez. 2016.

STROBEL, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. 4ª. ed. Florianópolis, Editora da UFSC, 2018.

TUXI, P. A atuação do intérprete educacional no ensino fundamental. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Brasília, Brasília, 2009. Disponível em: < https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/190809?show=full> Acesso em: 05 ago. 2019.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/2526-2289v5n1p25-44

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 254

Total de downloads do artigo: 254