CARACTERÍSTICAS DOS GESTORES E O ALCANCE DE DESEMPENHO FINANCEIRO E NÃO-FINANCEIRO EM CLUBES DE LAZER NO NORDESTE DO BRASIL

Elainy Sousa Martins

Centro Universitário de João Pessoa - Unipê Brasil

Graduada em Ciências Contábeis

Mércia de Lima Pereira

Profa. Centro Universitário de João Pessoa - Unipê Brasil

Mestre em Ciências Contábeis - UFPB

Elenildo Santos Bezerra

ORCID iD Prof. Universidade Federal de Sergipe Brasil

Mestre em Ciências Contábeis - UFPE

Brasiliana Sulamita Batista Cavalcanti

Profa. Centro Universitário de João Pessoa - Unipê

Mestre em Ciências Contábeis - Multi UnB/UFPB/UFRN

Resumo

O presente artigo verificou a relação entre as características dos gestores e o alcance de desempenho financeiro e não-financeiro em clubes de lazer do nordeste brasileiro. Assim, a população trata-se de uma rede de associações, denominada Associação Atlética Banco do Brasil (AABB) do Nordeste, cujo quantitativo corresponde a 262 clubes. Para realização do estudo, enviou-se questionários online, criado no Formulários do Google, aos clubes de lazer, via e-mail (obtidos no site da FENABB), dos quais obtiveram-se 32 questionários respondidos (amostra). Por meio do teste de correlação de Spearman, constatou-se que o desempenho financeiro se encontra atrelado positivamente a idade do gestor, ou seja, quanto mais maduro o gestor, melhor é o desempenho da organização. No entanto, não foram obtidas relações estatísticas significativas entre desempenho financeiro e outras características do gestor, o que pode indicar que outros aspectos se correlacionam com o desempenho não-financeiro, como a forma em que os gestores tomam decisões. Contudo, notou-se que idade do gestor se associa positivamente ao alcance de melhores desempenhos financeiros, revelando que os gestores estão se inserindo em tecnologias de gestão, ou mesmo que o desempenho alcançado, independente de inovação e tecnologia, atrela-se aos conhecimentos adquiridos pelos gestores ao longo do tempo.

Texto completo:

Referências


AABB-RIO. Associação Atlética Banco do Brasil. Institucional. Disponível em:< http://www.aabb-rio.com.br> Acesso em: 16 set. 2019.

ADAMS, R.; FUNK, P. Beyond the glass ceiling: does gender matter? Management Science, v. 58, n.2, p. 219-235, 2011.

ALIRYO, Rovigati Danilo. Métodos e Técnicas de Pesquisa em Administração. Volume Único. Rio de Janeiro: Fundação CECIERJ, 2009.

ASTLEY, W.; VAN DE VEN, A. H. Central perspectives and debates in organizational theory. Administrative Science Quartely, Cornell, v. 28, n. 2, p. 245-273, 1983.

BARUA, A.; DAVIDSON, L.; RAMA, D.; THIRUVADI, S. CFO Gender and accruals quality. Accounting Horizons, v. 24, n. 1, p. 25-39, 2010.

BERGMAN, S. Analista em TI Banco do Brasil. Experiência de gestão autônoma, em visita 15 ao Vale do Silício em meados 2016. 2016. Disponível na intranet do Banco do Brasil.

BRITO, R. P.; BRITO, L. A. L. Vantagem Competitiva e sua Relação com o Desempenho – uma Abordagem Baseada em Valor. Revista de Administração Contemporânea. Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, art. 2, p. 360-380, Maio/Jun. 2012.

BOURGEOIS, LJ. Strategic management and determinism. Academy of Management Review, v. 9, n. 4, p. 586-596, 1984.

BURKE, R. J. Women on corporate board of directors. Equal Opportunities International, v. 12, n. 6, p. 5-13, 1993.

CAPI, A. H. C.; MARCELLINO, N. C. Clubes social-recreativos: lazer, associativismo e atuação profissional. Revista da Educação Física/UEM Maringá, v. 20, n. 3, p. 465-475, 2009.

CARVALHO, Ieda Maria Vecchioni; PASSOS, Antônio Eugênio Valverde Mariani; SARAIVA, Suzana Barros Corrêa. Recrutamento e Seleção por competências. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2008.

CATTANI, A. D. Teoria do Capital Humano. In: CATTAN I, A. D.; HOLZMANN, L. (orgs.). Dicionário de Trabalho e Tecnologia. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2006. Disponível em:http://www.leonildocorrea.adv.br/curso/capitalhumano.htm. Acesso em: 15 ago. 2019.

CHILD, J. Organizational structure, environment, and performance: The role of strategic choice. Sociology, v.6, n. 1, p.1-22, 1972.

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DOS CLUBES. Quem somos: plano estratégico da CBC 2005/2008. Disponível em: . Acesso em 27 mar. 2019.

DAS, M. Successful and unsuccessful exporters from developing countries: some preliminary findings. European Journal of Marketing, v.28, p.12, 1994.

FENABB. Federação Nacional de AABB’s. AABBs afiliadas. Disponível em: . Acesso em 15 mai. 2019.

FRANCIS, B.; HASAN, I.; PARK, J.; WU, Q. Gender differences in financial reporting decision-making: evidence from accounting conservatism. Bank of Finland. Finland-Research Discussion Papers. Chicago, v.32, n. 3, p.1285-1318, 2014.

GIL, Antonio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 6. ed. - São Paulo: Atlas, 2017.

HARRIS, C.; JENKINS, M. e GLASER, D. Gender differences in risk assessment: Why do women take fewer risks than men? Judgment and Decision Making, v. 1, n. 1, p. 48-63, 2006.

HERRMANN, P.; DATTA, D. K. Relationships between top management team characteristics and international diversification: An empirical investigation., British Journal of Management, v. 16, n. 1, p. 69-78, 2005.

MARTINS, Gilberto de Andrade. Estatística geral e aplicada. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

MELLO, S.C. B.; LEÃO, A. L. M. S.; PAIVA JUNIOR, F. G. Competências empreendedoras de dirigentes de empresas brasileiras de médio e grande porte que atuam em serviços da nova economia. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba: v. 10, n. 4, p. 47-69, 2006.

MORISHITA, D. Headhanter da Tend Recruitment. Entrevista publicada na Agência de Notícias Intranet do Banco do Brasil. Setembro/2018. Disponível na intranet do Banco do Brasil.

NESHAMBA, F. Growth and transformation among small business in Kenya. Journal African Business. São Carlos: v. 23, n. 2, p. 419-432, 2002.

OLIVEIRA, Alan Santos de. Contingência organizacional e mensuração de desempenho: um estudo em ONG’s brasileiras. 2017, p. 196. Universidade Federal Da Paraíba. Programa De Pós-Graduação Em Ciências Contábeis. Paraíba: João Pessoa, 2017.

OLSON, E. M., SLATER, S. F.; HULT, G. T. M. The Performance implications of fit among busines strategic, marketing organization structure, and strategic behavior. Journal of Marketing, v. 69, n. 3, p. 49-65, 2005.

PHILEMON, J. R.; KESSY, S. S. Top Management Characteristics and Firms' Performance in Tanzania: A Case of Selected Firms. Business Management Review, v. 18, n. 2, p. 1-31, 2016.

SANDRONI, Paulo. Novíssimo Dicionário de Economia. São Paulo. Best Seller: 1999.

SANTOS, A. C.; LAVARDA, C. E. F.; MARCELLO, I. E. Relação do conhecimento de gestão de custos e participação orçamentária como o desempenho dos gestores. Revista Brasileira de Gestão e Negócios, v. 16, n. 50, p. 124-142, 2014.

SANTOS, A. J. G.; PEREIRA, J. A. Planejamento e implementação de estratégias por meio da gestão participativa entre diretores e associados do clube AABB De Naviraí-MS. In: II Encontro Internacional de Gestão, Desenvolvimento e Inovação (EIGEDIN), 2., 2018, Naviraí. Anais... Naviraí-MS: EIGEDIN, 2018.

SANTOS, V; BEUREN, I. M.; CORRÊA, N. L.; MARTINS, L. B. B. Advances in Scientific and Applied Accounting ISSN 1983-8611 São Paulo v.11, n.1 p. 3-23, 2018.

SCHAEDLER, Júlia. BITENCOURT, Cleusa Marli Gollo. BRUCHÊZ, Adriane. Relação entre Grau de Escolaridade dos Gestores e Utilização de Controles Internos nas Organizações. XV Mostra de Iniciação Científica, pós-graduação, pesquisa e extensão. Caxias do Sul, 2015.

SIMÕES, M. P. A et al. Estudo sobre as Competências dos Gestores do Terceiro Setor das Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público – OSCIP no Processo de Gestão do Estado da Paraíba. In: Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho – ENGPR, IV, 3 a 5 de novembro de 2013, Brasília-DF Anais[...], 2013.

SOBRAL, F.; PECI, A. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro. Prentice Hall: São Paulo – SP, 2008.

TERJESEN, S.; SEALY, R.; SINGH, V. Women directors on corporate board: a review and research agenda. Corporate Governance: An Internacional Review, v. 17, n. 3, p. 320-337, May 2009.

WEICK, K. E. The social psychology of organizing. Reading, MA: Addison- Wesley, 1979.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/2526-2289v4n2p%25p

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 860

Total de downloads do artigo: 622