A CRIAÇÃO DE LINHAS DE CRÉDITO RURAL PARA A AGRICULTURA FAMILIAR NA ESCALA FEDERAL: UM OLHAR ESPECIAL

João Jones da Silva

Instituto Federal Paraíba - IFPB Brasil

Luciana Rocha de Lima

Graduada em Pedagogia, UFCG, Mestre em Sistemas Agroindustriais, UFCG Brasil

Graduada em Pedagogia, UFCG, (2004), Mestre em Sistemas Agroindustriais, UFCG (2016).

Resumo

Com a implementação do crédito rural na agricultura familiar em especial nas agroindústrias no início da década de 90, ouve grande impacto e inovação desse setor da economia. Muitos incentivos foram dados a esse setor, principalmente depois de movimentos sociais dessa classe de trabalhadores. Esses movimentos, foram importantes para remanejar recursos financeiros para a categoria. Criaram duas modalidades na Esfera Federal que contemplaram o setor: Pronaf Agroindústria e o Pronaf Agregar. O setor do agronegócio no Brasil teve e tem grandes montantes financeiros, por parte do Governo Federal para atender grandes interesses, esse setor é representado por grupos de alto padrão financeiro que investe pesado na política do Brasil. O agronegócio atende, principalmente o mercado externo e a especulação financeira. Ao contrário, a Agricultura Familiar, que tem como base a família na sua produção, e tem pouca representatividade política, sempre tiveram poucos recursos, com isso, os governos do Brasil não investiram nesse setor da economia. Só depois de muitos movimentos sociais organizados e principalmente com a chagada do governo da esquerda no Brasil ao poder, foram que políticas públicas do governo chegasse com maior volume a classe trabalhadora, representado pelo Partidos dos Trabalhadores. Nesse sentido, o setor da Agricultura Familiar tiveram destaques, e principalmente com o avanço e investimento no Pronaf, com isso, puderam modernizarem e criaram alternativas de produção e novas linhas de investimentos como o da agroindústria.

 

Texto completo:

Referências


ABRAMOVAY, R. Paradigmas do capitalismo agrário em questão. São Paulo/Campinas: Ed. Hucitec/Anpocs/Ed.Unicamp. 1992.

ABRAMOVAY, R.; VEIGA, J. E. Novas instituições para o desenvolvimento rural: o caso do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Brasília: Ipea. 1999. (Texto p/ Discussão n. 641).

FAO/INCRA. Diretrizes de política agrária e desenvolvimento sustentável. Versão resumida do Relatório Final do Projeto UTF/ BRA/036. Brasília. 1994.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo Agropecuário. (IBGE, 2017)

LAMARCHE, H. A agricultura familiar – comparação internacional: uma realidade multiforme. Campinas: Ed. Unicamp. 1993.

https://nacoesunidas.org/fao-fome-aumenta-no-mundo-e-afeta-821-milhoes-de-pessoas/. Acesso em 02 de outubro de 2021.

https://www.brasil247.com/blog/agricultura-familiar-brasileira-e-a-8-maior-produtora-de-alimentos-do-mundo. Acesso em 02 de outubro de 2021.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. (ONU, 2019).

Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar no Brasil: análise da evolução e distribuição entre 1999 e 2017 | Desenvolvimento em Questão (unijui.edu.br). Acesso 03 de outubro de 2021.

SABOURIN, Eric. Paysans Du Brésil. Entre échange marchand et réciprocité. Paris: Editions Quae,2007.

VEIGA, J. E. O desenvolvimento agrícola: uma visão histórica. São Paulo: Ed. Hucitec/Edusp, 1991.


DOI: http://dx.doi.org/10.35512/ras.v6i3.6434

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 66

Total de downloads do artigo: 39