O uso das Tecnologias de Informação e comunicação pelos Empreendimentos de Economia Solidária da região de Guarabira-PB

José Augusto Lopes Viana

Instituto Federal da Paraíba Brasil

Tatiana Losano de Abreu

Instituto Federal da Paraíba Brasil

Mayara Carla Marques

Instituto Federal da Paraíba Brasil

Odaliene de Souza Azevedo

Instituto Federal da Paraíba Brasil

Wagner Nascimento dos Santos

Instituto Federal da Paraíba Brasil

Resumo

A tecnologia da informação apresenta-se como auxílio para desenvolvimento e controle de atividades organizacional. Assim sendo, partindo de informação de que a autogestão vivenciada na Economia Solidária pode ser facilitada pelo uso efetivo da TI, o objetivo deste estudo foi diagnosticar o uso das tecnologias de informação e comunicação pelos Empreendimentos de Economia Solidária na Região de Guarabira – PB. A presente pesquisa apresenta caráter exploratório. Para concretização do objetivos, foram aplicados questionários do tipo survey. Os dados coletados foram analisados por meio de estatística descritiva. Como resultados, identificou-se que 56% dos EES não possuíam computadores, 25% possuíam apenas 1 computador e 18% apresentavam 2 ou mais computadores. Em relação acesso de internet, 44% dos EES não tinham acesso à internet. Além disso, quando questionados sobre o conhecimento em relação ao uso de TIC’s, a maioria (75%) declarou conhecimento básico. Com base nos resultados, observou-se baixa utilização de tais tecnologias, necessitando-se aos empreendimentos a conscientização a respeito da relevância de ampliar as competências para uso destes recursos, visando o caminho do crescimento e da autogestão dessas organizações.

Texto completo:

Referências


BRASIL. Ministério do Trabalho. Diretrizes para a elaboração do mapeamento nacional de economia solidária. Brasília: MT, 2005.

______. Lei nº 12.965 de 23 de Abril de 2014. Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l12965.htm. Acesso em 10 de Janeiro de 2016.

CACCIAMALI, Maria Cristina. Globalização e processo de informalidade. Revista Economia e Sociedade. v. 9. 2000.

CERVO, Amado L.; BERVIAN, Pedro A. Metodologia Científica. 5. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2003.

CULTI, Maria Nezilda; KOYAMA, MittiAyako H. II; TRINDADE, Marcelo. Economia Solidária no Brasil – Tipologia dos empreendimentos econômicos solidários. São Paulo: Todos os Bichos, 2010.120 pp.

CORNELIAN, Anderson Ricardo. A Concepção De “Economia Solidária” Em Paul Singer: Descompassos, Contradições E Perspectiva. Monografia. UNESP. 2006. 99p.

DINIZ et al. O governo eletrônico no Brasil: perspectiva histórica a partir de um modelo estruturado de análise. Revista de Administração Pública, v. 43, n.1, p. 23-48. 2009.

GAIGER, Luiz Inácio Germany. G. O trabalho ao centro da economia popular. In: Encontro Anual da ANPOCS, 13., (GT Trabalho e Sociedade), Caxambu: ANPOCS, 1999a.

______________. As organizações do Terceiro Setor e a economia popular solidária. Ciências sociais Unisinos/Centro de Ciências Humanas, v. 37, n 159, 2001.

______________. A economia solidária diante do modo de produção capitalista. Disponível em:. Acesso em 05 de fev. 2002.

______________. (Org). Sentidos e Experiências da Economia Solidária no Brasil. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004.

GAIGER, Luiz Inácio Germany; LAVILLE, Jean-Louis. Economia Solidária. In: CATTANI, Antonio David et. al. Dicionário internacional da outra economia. CES. Edições Alamedina, 2009. p.162-168.

IBGE. Censo Demográfico 2010. Disponível em:.

IBGE. Projeção da População do Brasil por sexo e idade: 1980-2050. [Internet]. Revisão 2008. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/projecao_da_populacao/2008/de-fault.shtm. Acessado 29 Abr 2011.

IPEA. Os novos dados do mapeamento de economia solidária no Brasil: nota metodológica e análise das dimensões socioestruturais dos empreendimentos. 2016. Disponível em: < http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/7410/1/RP_Os%20Novos%20dados%20do%20mapeamento%20de%20economia%20solid%C3%A1ria%20no%20Brasil_2016.pdf> Acesso em: 24 jan. 2018.

LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane P. Sistemas de Informações Gerenciais. 11. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2014.

NASCIMENTO, Claudete Pereira do. O município de Guarabira e sua inserção na mesorregião do agreste paraibano: “uma rainha sem trono” (Monografia). Guarabira: UEPB/CH, 2007.

NIEHAVES, Björn.; PLATTFAUT, Ralf. Internet adoption by the elderly: employing IS technology acceptance theories for understanding the age-related digital divide. European Journal of Information Systems, v. 23, p. 708-726. 2014.

O’BRIEN, James A. Administração de Sistemas de informação. 15. ed. Porto Alegre: McGrawHill, 2013.

RANGEL, Roney Rezende; MANOLESCU, Friedhilde Maria Kustner. Economia Solidária pela perspectiva histórico-teórica. Revista da Faculdade Eça de Queirós, n°8, p.1-30,2012.

SCHMIDT, Armênio Bello, LIMA, Sara de Oliveira Silva, SECHIM, Wanessa Zavarese. Economia solidária: caderno pedagógico educandas e educandos. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, Brasília, 2010. 129p.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, P. B. Metodologia de Pesquisa. 3. ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2006.

SINGER, Paul. Possibilidades da economia solidária no Brasil. In: CUT BRASIL. Sindicalismo e economia solidária: reflexões sobre o projeto da CUT. São Paulo: CUT, 1999. p.51-60.

____________. Introdução à Economia Solidária. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2002.

SILVA, Roberto Marinho Alves. Departamento de Fomento à Economia Solidária. (SENAES/MTE). (2010).

VAN DEURSEN, A.; VAN DIJK, J. Improving digital skills for the use of online public information and services. Government Information Quarterly, v. 26, n. 2, p. 333-340. 2009.

VERARDO, Luigi. Economia Solidária e Autogestão. Revista Proposta. n. 98, et/nov. 2005, p.56-61.


O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 193

Total de downloads do artigo: 256