Força de preensão palmar e habilidade manual em funcionários de escritório

Isabella Scherer Drumond

Centro Universitário de Lavras Brasil

Graduanda do curso de Fisioterapia do Centro Universitário de Lavras- UNILAVRAS

Michel de Paulo Cunha

Centro Universitário de Lavras Brasil

Graduando do curso de Fisioterapia do Centro Universitário de Lavras- UNILAVRAS

Camila de Fátima Leite Reis

Centro Universitário de Lavras Brasil

Graduanda do curso de Fisioterapia do Centro Universitário de Lavras- UNILAVRAS

Adriano Rodrigues

Centro Universitário de Lavras Brasil

Doutor em Estatística aplicada e experimentação agropecuária- UFLA; Professor do departamento de engenharia no Centro Universitário de Lavras- UNILAVRAS, Lavras, MG.

Debora Almeida Galdino Alves

Centro Universitário de Lavras Brasil

Fisioterapeuta, Professora Mestre em Ciências da Saúde pela Unifesp São Paulo. Departamento de fisioterapia do Centro Universitário de Lavras- UNILAVRAS

Resumo

Introdução: As patologias dos membros superiores (MMSS) constituem as doenças ocupacionais mais frequentes, contribuindo para o crescente número de trabalhadores com força e habilidade diminuídas. Em pesquisas das capacidades manipulativas, a força de preensão (FPP) e destreza manual (DM) são elementos básicos a serem analisados, pois fornecem um índice objetivo da integridade funcional dos MMSS e constituem um indicador relevante na análise do estado geral do indivíduo. Objetivo:  verificar a FPP e DM em trabalhadores de escritório correlacionando com a presença de dores osteomusculares nos MMSS. Métodos: Foram avaliados 83 trabalhadores de escritório de uma instituição de ensino superior de ambos os gêneros. A  FPP foi avaliada através de um  dinamômetro hidráulico de mão, a DM avaliada através do Teste de Caixa de Blocos e os sintomas de DORT foram avaliados através  do questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares. Resultados: Os voluntários apresentaram valores de FPP e de DM dentro dos valores esperados para a faixa etária na mão dominante. Em relação aos sintomas osteomusculares 77,9% apresentaram dor ou desconforto em alguma região do MMSS nos últimos doze meses. As áreas mais acometidas pelos sintomas foram: coluna torácica, pescoço, ombros e punhos respectivamente.  Não foram encontradas correlações significativas entre a FPP, a DM e os  sintomas de DORT. Conclusão: Observou-se que não existe correlação significativa entre a FPP e a DM com a presença da sintomatologia dolorosa da DORT na população estudada, no entanto a prevalência de dores osteomusculares em trabalhadores de escritório foi alta.

 

 

Palavras-chave


Força da mão. DORT. Dinamômetro. Ergonomia.


Texto completo:

Referências


SOUZA, J. A. C. e FILHO, M. L. M. Ergonomics posture and movement analyses of supermarket checkout operators in the city of Cataguases, MG. Gest. Prod., São Carlos. 24(1): 123-135, 2017

PINHEIRO, B. L., GONÇALVES, L. O. e SIMONE, G. G. Análise de ergonômica do setor de suprimentos em uma empresa do Vale do Itajaí/SC: análise de riscos físicos. Rev. Inspirar Mov. & Saude .8(2): 24-30, 2016.

LIMA, V.A., AQUILAS, A.L. e FERREIRA JR, M. Exercícios físicos no local de trabalho e dor musculoesquelética. Rev Bras Med Trab. São Paulo. 7: 11-17, 2009.

CAGNIE, B., DANNEELS, L., VAN TIGGELEN, D., DE LOOSE, V. e CAMBIER, D. Individual and work related risk factors for neck pain among office workers: a cross sectional study. Eur Spine J.;16(5):679-86. 2007.

BERNAARDS, C.M., ARIËNS, A., KNOL, D.L. e HILDEBRANDT, V.H. The effectiveness of a work style intervention and a lifestyle physical activity intervention on the recovery from neck and upper limb symptoms in computer workers. Pain.;132(1-2):142-53. 2007.

OLIVEIRA, M. A. DE; GRECO, P. B. T.; ESPÍNDOLA, R. B. Promovendo a saúde dos trabalhadores dos Centros de Atenção Psicossocial: um relato de experiência. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI, 11(20): 88–100, 2015.

BOWDEN, J. I. e McNULT, P. A. The magnitude and rate of reduction in strenght, dexterity and sensation in the human hand vary with ageing. Experimental Gerontology. 2013; 48: 756–765.

Alex Wagner Mendes Cardoso e Hanne Alves Bakke. Estresse ocupacional em profissionais de saúde dos centros de atenção psicossocial. REBRAST, 1(1):23-29, 2018

SWINTON, P. A., COOPER, K. e HANCOCK, E. Workplace interventions to improve sitting posture: A systematic review, Preventive Medicine (2017)

MELO, A. C. F., NAKATANI, A. Y. K., PEREIRA, L. V., MENEZES, R. L. e PAGOTTO, V. Prevalência de doenças musculoesqueléticas autorreferidas segundo variáveis demográficas e de saúde: estudo transversal de idosos de Goiânia/GO. Cad. Saúde Colet., 2017, Rio de Janeiro, 25 (2): 138-143

SEO, N.J. e ENDERS, L. R. Hand grip function assessed by the box and block test is affected by object surfaces. J Hand Ther. 2012;25:397–404

Johnston V, Souvlis T, Jimmieson NL, Jull G. Associations between individual and workplace risk factors for self-reported neck pain and disability among female office workers. Appl Ergon. 2008;39:171–182.

PEREIRA, R. S., SERRANHEIRA, F., LOPES, F., RIBEIRO, R. e UVA, A. S. Tendinite manguito rotador em operadores de caixa de supermercado. Rev Bras Med Trab. 2017;15(2):158-66.

PRIOSTI, et al. Força de preensão e destreza manual na criança com Síndrome de Down. Rev Fisioter Pesq. 2013;20(3):278-285.

MATSUDO, S., ARAUJO, T., MATSUDO, V. ANDRADE, D., ANDRADE, E., OLIVEIRA, C. et al. Questionário internacional de atividade física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2001;6(2):5-12.

FESS, E. E. Grip strength. In: Casanova JS, editor. Clinical Assessment Recommendations. 2nd ed. Chicago: American Society of Hand Therapists; 1992.

BENELI, L . M. e ACOSTA, F. B. Efeitos de um programa de ginástica laboral sobre a incidência de dor em funcionários de uma empresa de software. Rev Saude e Meio Ambiente – RESMA, 2017, 4(1): 66-76. ISSN: 2447-8822

MASSY-WESTROPP, N., RANKIN, W., AHERN, M., KRISHNAN, J. e HEARN, T. C. Measuring Grip Strength in Normal Adults: Reference Ranges and a Comparison of Electronic and Hydraulic Instruments. The Journal of Hand Surgery, 2004. 29( 3): 514-520.

MATHIOWETZ, V., VOLLAND, G., KASHMAN, N. e WEBER, K. Adult Norills for the Box and Block Test of Manual Dexterity. The American Journal of Occupational Therapy, 1985. 39(6): 386-391.

KONTSON, K., MARCUS, I., MYKLEBUST, B. e CIVILLICO, E. Targeted box and blocks test: Normative data and comparison to standard tests. PLoS ONE, 2017. 12(5): 1-15.

LEVIN, M. F., LIEBERMANN, D. G., PARMET, Y. e BERMAN, S. Compensatory Versus Noncompensatory Shoulder Movements Used for Reaching in Stroke. Neurorehabilitation and Neural Repair. 2016; 30(7):635–46.

LIU, W., WALLER, S. M., KEPPLE, T. e WHITALL, J. Compensatory arm reaching strategies after stroke: Induced position analysis. Journal of rehabilitation research and development. 2013; 50(1):71–84.

VIANNA, D. L., CIOCHETTI, E. I., GOMES, A. L. e FERNANDES, S. M. Estudo de lesões nas mãos de goleiros do sexo masculino e feminino e o desempenho da força de preensão manual e sensibilidade cutânea. Revis Pesq em Fisioterapia. 2016 Ago;6(3):208-216.

GATES, D. H., WALTERS, L. S., COWLEY, J., WILKEN, J. M. e RESNIK, L. Range of Motion Requirements for Upper-Limb Activities of Daily Living. Am J Occup Ther. 2016; 70(1):1–10.

LIMA, K. C. A., FRANCISCO, M. M. e de FREITAS, P. B. Relação entre os desempenhos em diferentes testes frequentemente utilizados na avaliação da função manual. Fisioter Mov. 2012 jul/set;25(3):517-24.

KOYAMA T, DOMEN K, YOKOE M, SAKODA S, KANDOR A. Psychometrics of dominant right hand during the 9-hole PEG test: differences between PEG placement and removal. PM&R. 2011, 3(1):40-44.

BELLUMORI, M., JARIC, S. e KNIGHT, C. A. The rate of force development scaling factor (RFD-SF): protocol, reliability, and muscle comparisons. Exp Brain Res. 2011, 212(3): 359-369.

LIMA, K.C.A, SANTOS, R.Q, de FREITAS, P.B. Relação entre a força máxima e destreza manual em adultos saudáveis: implicações para a avaliação da função manual. Braz J Motor behav. 2011, 6(1): 1-6.


O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 173

Total de downloads do artigo: 64