Frequência de dor referida na coluna em uma empresa de bioenergia

Alex Fabiano Vieira Lima

Faculdade de Tecnologia e Ciências - Salvador Brasil

Graduado em Fisioterapia pela Universidade Católica do Salvador.

Especialização em Fisioterapia Traumato-ortopédica pela Universidade Gama Filho.

Mestrando em Bioenergia pela Faculdade de Tecnologia e Ciências (finalização em fevereiro 2018).

Docente nos cursos de Fisioterapia e Educação Física na Faculdade de Tecnologia e Ciências.

Coordenador do Curso de Fisioterapia na Faculdade Metropolitana de Camaçari.

Astria Dias Ferrão Gonzales

ORCID iD Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Pós-Doutorado (CPQGM-FIOCRUZ). 

Pós-Doutorado (UFRJ). 

Doutora em Química Biológica (UFRJ).

Farmacêutica (UFRJ)

Faculdade de Tecnologia de Ciências - Av. Luís Viana Filho, 8812-Pituaçu.

Departamento de Ciências da Vida-Uneb Campus I - Rua Silveira Martins, 2555-Cabula, Salvador-BA.

Resumo

A dor na coluna é uma das principais responsáveis por grandes índices de afastamento e absenteísmo repercutindo em prejuízos para o trabalhador e a competitividade da empresa. O objetivo do estudo foi estimar a prevalência de dor referida na coluna vertebral por ser esta, a doença que mais afasta trabalhadores no Brasil por mais de 15 dias e identificar os riscos ocupacionais que afetam a saúde do trabalhador. Trata-se de uma pesquisa descritiva longitudinal com estratégia de análise quantitativa dos resultados. Foram adotadas duas ferramentas de análise: o método Rapid Entire Body Assessment (REBA) e o Censo de Ergonomia de Couto (2007). Empregou-se o Microsoft Office Excel 2010 para análise dos dados e na correlação estatística o teste Qui-Quadrado, considerando estatisticamente significantes p < 0,05. 51% (n = 21) mencionaram dor na coluna, sendo este o desconforto mais frequente. Houve correlação estatisticamente significativa entre a dor na coluna e as seguintes variáveis: setor (0,001382371), dor relacionada ao trabalho (0,000335561) e dor piorada ao trabalho (p = 0,000200977). A análise de riscos ocupacionais favorece a detecção de doenças ocupacionais através de medidas preventivas ou corretivas para manter o nível de competitividade da empresa.

Palavras-chave


Ergonomia, Análise ergonômica. Dor na coluna.


Texto completo:

Referências


ABREU, ATJB; RIBEIRO, CAB. Prevalência de lombalgia em trabalhadores submetidos ao programa de reabilitação profissional do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), São Luís, MA. Acta Fisiátrica. v. 17, n.4. 2010.

ALENCAR, MCB; VALENÇA, JBM. Afastamento do trabalho e funcionalidade: o caso de trabalhadores adoecidos por doenças da coluna lombar. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, São Carlos, v. 24, n. 4, p. 755-763, 2016.

ALMEIDA JS; MEIRELLES, NC; BIAZZI, A; VANDERLEI, FM. Avaliação de riscos ergonômicos de uma indústria alimentícia Chapecoense. Rev. Bras. Pesq. Saúde, Vitória, 18(4): 7-13, out-dez, 2016.

BARBOSA, VA. Avaliação Ergonômica da colheita florestal em área com madeira danificada pelo vento. 2015. 64 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-graduação em Ciências Florestais, Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Espírito Santo, Jerônimo Monteiro – ES, 2015.

BARROS, SS; ÂNGELO, RCO; UCHÔA, EPBL. Lombalgia ocupacional e a postura sentada. Rev. Dor. São Paulo, 2011 jul-set; 12(3): 226-30.

CHORATTO RMG; STABILLE SR. Incidência de lombalgia entre pacientes encaminhados em 2001 a uma instituição privada de saúde para tratamento fisioterápico. Arq. Ciências Saúde UNIPAR. Mai/Ago; 7(2): 99-106. 2003.

COSTA, D; PALMA, A. O efeito do treinamento contra resistência na síndrome da dor lombar. Revista Portuguesa de Ciência do Desporto, v. 5, n. 2, p. 224-234, maio, 2005.

COUTO, HA. Ergonomia aplicada ao trabalho: conteúdo básico: guia prático. Belo Horizonte: ERGO, 2007.

DOSEA, GS; OLIVEIRA, CCC; LIMA, SO; OLIVEIRA, WA. Análise do perfil ocupacional dos portadores de distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho em Sergipe. Interfaces Científicas - Saúde e Ambiente, Aracaju, v.3, n.2, p. 57 – 64, fev. 2015.

HAEFFNER R; SARQUIS, LMM; HAAS, GFS; HECK, RM; JARDIM, VMR. Prevalência de lombalgia e fatores associados em trabalhadores de uma empresa agropecuária do sul do Brasil. Rev. Bras. Med. Trab. 2015; 13(1):35-42.

HIGNETT S, MCATAMNEY, L. Rapid Entire Body Assessment (REBA). Appl Ergon. 2000; 31:201-5.

IGUTI A. M.; HOEHNE E. L. Lombalgias e trabalho. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, 28 (107/108): 73-89, 2003.

KIPPER FA; MORO ARP. Análise Macroergonômia do Trabalho em um escritório de informática. XXVIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção. A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008.

LOURINHO MG; NEGREIROS, GR; ALMEIDA, LB; VIEIRA, ER; QUEMELO, PRV. Riscos de lesão musculoesquelética em diferentes setores de uma empresa calçadista. Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v.18, n.3, p. 252-7, jul/set. 2011.

MACIEL, ÁCC; FERNANDES, MB; MEDEIROS, LS. Prevalência e fatores associados à sintomatologia dolorosa entre profissionais da indústria têxtil. Revista Brasileira de Epidemiologia, 9(1). 2006. Recuperado 05 dez. 2017, em http://www.scielo.br.

MAIA, AC; FIALHO, CB; ALCÂNTARA, MA; MORAIS, RLS. Incapacidade funcional associada à lombalgia em cuidadores de crianças com paralisia cerebral grave. Fisioter. Pesq. 2008; 15(4) :349-54.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Série A. Normas e Manuais Técnicos 140: LER DORT dilemas polêmicas e dúvidas. Brasília-DF, 2001. 24 p. Disponível em: . Acesso em: 11 ago. 2016.

OLIVEIRA, JDA; FONTES ARM. Aplicação da Análise Ergonômica do Trabalho no posto de embalamento em uma microempresa do setor de brinquedos. XXXI ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO. INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E PROPRIEDADE INTELECTUAL: DESAFIOS DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NA CONSOLIDAÇÃO DO BRASIL NO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL. Belo Horizonte, MG, Brasil, 04 a 07 de outubro de 2011.

PICOLOTO, D; SILVEIRA, E. Prevalência de sintomas osteomusculares e fatores associados em trabalhadores de uma indústria metalúrgica de Canoas – RS. Ciência & saúde Coletiva: Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal, Canoas - RS, p.507-516, 2008.

PONTE, C. Lombalgia em cuidados de saúde primários. Sua relação com características sóciodemográficas. Rev Port Clínica Geral 2005; 21: 259-67.

SAKAR, K., DEV. S., DAS, T., CHAKRABARTY, S. GANGOPADHYAY, S. Examination of postures and frequency of musculoskeletal disorders among manual workers in Calcutta, India. International Journal of Occupational and Environmental Health. Volume 22, Issue 2, p. 151-158, 2016.

TAVARES, CSD. Ergonomia no trabalho de escritório. 2012. 169 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Engenharia Mecânica, Engenharia, Universidade da Beira Interior, Covilhã-Pt. 2012.

TRINDADE, LL; KREIN, C; SCHUH, MCC; FERRAZ, L; AMESTOY, SC; ADAMY, EK. Trabalhadores da indústria têxtil: o labor e suas dores osteomusculares. J Nurs Health, Santa Catarina, v. 2, n. 2, p.377-387, 2012.

TSUCHIYA, HZC; MENDONÇA, CSL; CESAR, ACG. Associação entre características pessoais, organização do trabalho e presença de dor em funcionários de uma indústria moveleira. Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v.16, n.4, p.294-8, out./dez. 2009.

WISNIEWSKI, MSW. COLUSSI, F. Distúrbios Osteomioarticulares em trabalhadores do município de Erechim – Setor de balas e doces. Perspectiva, Erechim. v.34, n.125, p. 137-146, março/2010.


O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 569

Total de downloads do artigo: 174