Riscos ocupacionais: a percepção de coletores de lixo de um município paraibano

Wagne Vieira de Lucena

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. Brasil

Hanne Alves Bakke

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba.

Resumo

Este trabalho apresenta uma pesquisa realizada com coletores de lixo de uma cidade do interior da Paraíba, que teve como objetivo fazer um levantamento sobre a percepção dos riscos ocupacionais a que estes estão expostos, bem como avaliar o uso do Equipamento de Proteção Individual (EPI) e identificar a intensidade das dores nas regiões corporais mais afetadas pelo trabalho diário. Trata-se de uma pesquisa de campo, quantitativa e transversal. Os dados foram coletados utilizando-se um questionário, o esquema Corporal de Corlett e fotografias, durante o expediente de trabalho. Participaram da pesquisa 20 trabalhadores, do sexo masculino, com idade média de 34,65 anos. De acordo com a pesquisa, os coletores de lixo identificam esta profissão como sendo de muito riscos (20; 100%) e reconhecem, mais frequentemente, os riscos ergonômicos, químicos e de acidentes. Os EPI mais utilizados são as botas (20; 100%), macacão (19; 95%) e luvas (18; 90%), mas 18 (90%) e 19 (95%) dos entrevistados relataram não receber treinamento e não existir fiscalização sobre a utilização destes equipamentos, respectivamente. Metade dos coletores de lixo não reconhece as políticas sobre segurança do trabalho da empresa. Todos os entrevistados apontaram apenas a realização de exames admissionais e demissionais. As regiões corporais mais doloridas relatadas foram as costas (inferior, médio e superior). Assim, esse trabalho identificou que os riscos mais relevantes entre esses trabalhadores foram os de cunho ergonômico, de acidentes e químico.

Palavras-chave


Coletor de lixo. Percepção de risco. Segurança no Trabalho.


Texto completo:

Referências


AMAECING, M. A. P.; FERREIRA, O. M. Serviços de coleta do lixo urbano na região central de Goiânia: estudo de caso. 2008. Disponível em: . Acesso em 15 de junho de 2016.

ARAÚJO, H. L.; MACHADO JUNIOR, F. G. A responsabilidade do empregador ante a ausência de fiscalização no uso dos equipamentos de proteção individual (EPI's). Revista Pensar Direito, v.6, n. 2, Jul./2015. Disponível em: . Acesso em 2 de junho de 2016.

ASSIS, E. A.; GUIMARÃES, F. A.; COTRIM, K. T.; BADARÓ, R. R. Percepção funcional e qualidade de vida dos garis de microcidades do interior sudoeste baiano. 2013. Disponível em: . Acesso em 10 de junho de 2016.

BALESTRA, F. A.; VALINOTE, O. L. Acidentes de trabalho na profissão de coletores de lixo domiciliar na cidade de Goiânia - GO. 2015.

BENTO, J. J.; MATOSKI, A.; CATAI, R. E. Coleta e Lixo - ciência dos riscos: visão dos trabalhadores. COBENGE Engenharia: Múltiplos saberes. Juiz de Fora - MG. 2014. Disponível em . Acesso em 2 de junho de 2016.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Previdência Social. NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes. 2011. Disponível em: . Acesso em 15 de junho de 2016.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Classificação Brasileira de Ocupações. 2007. Disponível em: http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/

BRASIL. Ministério do Trabalho e Previdência Social. NR 7 - Programa de controle médico de saúde ocupacional. Portaria MTE n.º 1.892, de 09 de dezembro de 2013. Disponível em: . Acesso em 30 de maio de 2016

CHAGAS, A. M. R.; SALIM, C. A.; SERVO, L. M. S. Saúde e Segurança no Trabalho no Brasil: aspectos institucionais, sistemas de informação e indicadores. Servo. – Brasília: Ipea, 2011, 396 p. Disponível em: . Acesso em 30 de maio de 2016.

CISZ, C. R. Conscientização do uso de EPI, quanto à segurança pessoal e coletiva. Monografia. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho. 2015. 44p.

CLIMATEMPO. Previsão do Tempo. 2016. Disponível em: . Acesso em 12 de junho de 2016.

CORLETT, E. N., BISHOP, R.P. A technique for assessing postural discomfort. Ergonomics, v. 19, p. 175-182, 1976.

ESTEVO, E. Lixo doméstico produzido em Goiânia: a exposição e o impacto na saúde dos coletores. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais e Saúde da Pró-Reitoria de Pós-graduação e Pesquisa da Pontifícia Universidade Católica de Goiás. 2012. 178p. Disponível em:

FISCHER, D. GUIMARÃES, L. B. M. Percepção de Risco e Perigo: Um estudo qualitativo. II Congresso Latino-Americano de Ergonomia, I Seminário Brasileiro de Acessibilidade Integral, II Congresso Brasileiro de ergonomia. ABERGO. Recife. PE, 2002.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo 2010. Disponível em: . Acesso em 2 de junho de 2016.

IIDA, I. Ergonomia: projeto e produção. 2. ed. São Paulo: Edgard Blücher, 2005.

MAIA, I. M. O. Avaliação das condições posturais dos trabalhadores na produção de carvão vegetal em cilindros metálicos verticais. Monografia. Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Campus Ponta Grossa. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção (PPGEP). 2008. 115p.

MARTINS, M. L. Gestão de Segurança, Ergonomia e Higiene no Trabalho. 1ª Edição. JM Editora. Curitiba, PR, 2003.

MEDEIROS, M. G. Estudo sobre os riscos de acidentes de trabalho com os coletores de resíduos sólidos urbano no município de Tubarão - SC. Universidade do Sul de Santa Catarina. Monografia. Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho. 2014. 53p.

OLIVEIRA, A. P. S.; ZANDONADI, F. B.; CASTRO, J. M. Avaliação dos riscos ocupacionais entre trabalhadores da coleta de resíduos sólidos domiciliares da cidade de Sinop – MT – um estudo de caso. 2012. Disponível em: . Acesso em 1de junho de 2016.

PELLOSO, E. F.; ZANDONADI, F. B. Causas da resistência ao uso do Equipamento de Proteção Individual (EPI). 2012. Disponível em: . Acesso em 26 de junho de 2016.

PINHO, L. M.; NEVES, E. B. Acidentes de trabalho em uma empresa de coleta de lixo urbano. Cad. Saúde Colet., 2010, Rio de Janeiro, 18 (2): 243-51. Disponível em: . Acesso em 1 de junho de 2016.

ROUQUAYROL, M.Z, ALMEIDA FILHO, N. Epidemiologia e saúde 6ª edição, Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 2006.

SCHIO, R. Caracterização toxicológica de produtos domésticos que geram resíduos sólidos perigosos e sua destinação no Município de Campo Grande - MS. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do mato Grosso do Sul. MS, 2001.


O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 714

Total de downloads do artigo: 1204