Análises físico-químicas e microbiológicas de águas de pré e pós-tratamento na cidade de Jundiaí-SP

Giorgia Ariani Lujan Coyado

Universidade Paulista - UNIP, campus Jundiaí, Instituto de Ciências da Saúde. Brasil

Gustavo Henrique Gonçalves

Universidade Paulista - UNIP, campus Jundiaí, Instituto de Ciências da Saúde. Brasil

Claudia de Moura

Universidade Paulista - UNIP, campus Jundiaí, Instituto de Ciências da Saúde. Brasil

Danilo Balthazar-Silva

Universidade Paulista - UNIP, campus Jundiaí, Instituto de Ciências da Saúde. Brasil

Ana Beatriz Carollo Rocha-Lima

Universidade Paulista - UNIP, campus Jundiaí, Instituto de Ciências da Saúde. Brasil

Resumo

The objective of the present study was to evaluate the quality of the pretreatment (in natura) and posttreatment water in the city of Jundiaí-SP. It also aims to evaluate the effectiveness of the water treatment of the municipality. Three sampling points were evaluated in the city: the source of the Jundiaí-Mirim River (p1), the accumulation dam located in the City Park (p2), and the posttreatment tap water from the distribution network (p3). The evaluation of the physicochemical parameters (dissolved oxygen-DO, hydrogenation potential-pH, orthophosphate-, nitrite-, nitrate-, ammonia-NH3 , turbidity and temperature) and microbiological (thermotolerant coliform-CT) was performed with the use of Alfakit® Ecokit II. Nonconformities were observed only in relation to the microbiological parameter: p1 presented 2,2 x 103 CFU/mL and p2, 1,8 x 103 CFU/mL; CONAMA Resolution 357/05 establishes up to 2 x 102 CFU/mL for class I. Tap water is in compliance with the reference values established by the Ministry of Health Ordinance 2914/11. The methods used were effective to certify good quality of the water after the rigorous treatment done by the DAE company, however additional studies are suggested for the identification of possible contaminants in the region.

Palavras-chave


Pollution. Coliforms. Environmental Sanitation. Water Resources.


Texto completo:

Referências


ALMEIDA, P. G. C. S.; Sala, M. E. Avaliação preliminar e espacialização cartográfica da qualidade das águas do Córrego Forquilha e do Ribeirão dos Cocos por meio do uso do Ecokit [Internet]. São Paulo: [s.n.]; 2007. Disponível em: . Acesso em 23 mar 2018.

ANA – Agência Nacional das Águas. Indicadores de Qualidade: Índice de qualidade das Águas (IQA). Portal da Qualidade das Águas. [2018]. Disponível em: . Acesso em 23 mar 2018.

BRASIL. Lei n. 9.984, de 17 de julho de 2000. Dispõe sobre a criação da Agência Nacional de Águas - ANA, entidade federal de implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos e de coordenação do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 17 jul. 2000. Seção 12, p.04.

______. Portaria Ministério da Saúde 518, de 25 de março de 2004. Estabelece as responsabilidades por parte de quem produz a água, a quem cabe o exercício do controle de qualidade da água e das autoridades sanitárias, a quem cabe a missão de “vigilância da qualidade da água” para consumo humano. Diário Oficial da União, Brasília, 25 mar. 2004. Seção 23, p. 01-16.

______. Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 17 mar. 2005. Seção 53, p. 58-63

______. Portaria do Ministério da Saúde 2.914, de 12 de dezembro de 2011. Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Diário Oficial da União, Brasília, 12 dez. 2011. Seção 3, p. 01.

______. Lei n.12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 25 mai. 2012. Seção 5, p.23.

COMITÊ PCJ – Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba. Capivari e Jundiaí. Relatório de Situação dos Recursos Hídricos da UGRHI 5: Análise das Águas Degradadas – Quanto a utilização de recursos hídricos. [Internet] Relatório Técnico Final. São Paulo: [s.n.]; 2017, v.1; p.455. Disponível em: . Acesso em 23 mar 2018.

CUNHA, A. et al. Qualidade físico-química e microbiológica de água mineral e padrões da legislação. Revista Ambiente e Água, v. 7, n. 3, 2012.

WHATELY, M.; CUNHA, P. Cantareira 2006: um olhar sobre o maior manancial de água da Região Metropolitana de São Paulo. Resultados do Diagnóstico Socioambiental Participativo do Sistema Cantareira [Internet]. São Paulo: [s.n.]; 2007. Disponível em: . Acesso em 23 mar 2018.

DAE – Departamento de Água e Esgoto de Jundiaí. Memória: O Saneamento em Jundiaí. In: Diagnóstico Agroambiental: Resumo para o projeto de gestão e monitoramento da bacia hidrográfica do rio Jundiaí-Mirim [Internet] Jundiaí [s.n.] 2017. Disponível em: . Acesso em 23 mar 2018.

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuárias. Zoneamento Pecuário. Cartilha Nacional. 2005, p.18. Disponível em: . Acesso em 23 mar 2018.

FERREIRA, M. et al. Avaliação Físico-Química e Microbiológica da Água Disponível para Consumo humano nos bebedouros e torneiras da faculdade de Montes Belos em São Luís de Montes Belos – GO. [Internet]. Montes Belos: [s.n.]; [2017 ]. Disponível em: . Acesso em 23 mar 2018.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. População do último censo em Jundiaí [Internet] [s.l.:s.n.] 2017. Disponível em: . Acesso em 23 mar 2018.

MARINHO, W. L. M. et al. Análise Físico-Química e Microbiológica da Água tratada na Cidade de Marabá-Pará. In: 56° Congresso Brasileiro de Química; 2016; Belém; Pará. Belém [s.n.]; 2016. Disponível em: . Acesso em 23 mar 2018.

MORAES, D. S. L.; JORDÃO, B. Q. Degradação de recursos hídricos e seus efeitos sobre a saúde humana. Revista de Saúde Pública, v. 36, p. 370-374, 2002.

NETO, C. F. M. Água: direito humano fundamental máximo. Proteção jurídica ambiental, responsabilidade pública e dever da cidadania. VERBA JURIS-Anuário da Pós-Graduação em Direito, v. 7, n. 7, 2008.

OLIVEIRA-FILHO, AT de et al. Estrutura fitossociológica e variáveis ambientais em um trecho da mata ciliar do córrego dos Vilas Boas, Reserva Biológica do Poço Bonito, Lavras (MG). Revista Brasileira de Botânica, v. 17, n. 1, p. 67-85, 1994.

PALMA, Diego Araújo da. Monitoramento de qualidade da água com o enfoque ciência cidadã: estudo de caso em Brazlândia/DF. 2017. Disponível em: . Acesso em 23 mar 2018.

QUEIROZ, B. P. V.; BERRO, E. C. Avaliação ambiental de um córrego urbano na cidade de Americana–SP. Engenharia Ambiental - Espírito Santo do Pinhal, v. 8, n. 1, p. 003-016, 2011.

SILVA, A. J. S. et al. Reflexões e desafios à gestão participativa das águas no Pará: a experiência do CERH no período de 2007 a 2013 [dissertação] Belém: Instituto de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal do Pará, 2014.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n45p200-207

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 245

Total de downloads do artigo: 100